A FARSA DA VIDA

"FARSA, A VIDA É UMA GRANDE FARSA, MAS QUEM DISSE QUE NÃO É, COMO NEGAR!, SIMPLES SENDO MAIS UM FARSANTE."

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

A JUSTIÇA DE MENTIRINHA

 CHAMAR DE JUSTIÇA, ISSO QUE É PRATICADO PELO SER HUMANO, AINDA MAIS EM NAÇÕES TÃO DEGRADADAS E DEGENERADAS, MORAL, ÉTICA, CULTURAL E INTELECTUAL, COMO É O CASO DO BRASIL, SOA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICO, JÁ QUE, COMO SE PODE CHAMAR DE JUSTIÇA, UM TEATRO DESTES, NÃO SÓ POR QUÊ O CONCEITO DE JUSTIÇA É TÃO RELATIVO QUANTO SUBJETIVO, ATÉ POR QUÊ A “JUSTIÇA” DEPENDE DE VÁRIOS FATORES RELATIVOS E SUBJETIVOS IMPLÍCITOS NOS CONCEITOS, MORAIS, ÉTICOS, IDEOLÓGICOS, FILOSÓFICOS E SENTIMENTAIS DE CADA UM DOS INDIVÍDUOS ENVOLVIDOS DIRETA OU INDIRETAMENTE, NÃO SÓ DO JUDICIÁRIO, E DAS POLÍCIAS, COMO A INFLUÊNCIA EXERCIDA DIRETA OU INDIRETAMENTE, CONSCIENTE OU INCONSCIENTEMENTE, PELA MÍDIA E OPINIÃO PÚBLICA EM SUAS DECISÕES, E NÃO HÁ A MENOR DÚVIDA DE QUE ESTES CONCEITOS INTERFERE CLARO E ABERTAMENTE SOBRE AS DECISÕES DESTES INDIVÍDUOS, AFINAL SÃO SERES HUMANOS COMO QUALQUER OUTRO, CHEIOS DE FALHAS MEDIOCRIDADES, MESQUINHEZ E FRAQUEZAS, E SE ESTES TIVEREM QUALQUER TIPO OU GRAU DE ENVOLVIMENTO PESSOAL OU EMOCIONAL COM OS FATOS, SEUS VEREDICTOS SOFREM AINDA MAIS ESTAS INFLUÊNCIAS E INTERFERÊNCIAS DECORRENTES. POR TUDO ISSO JÁ É DE SE CONCLUIR QUE O CONCEITO DE JUSTIÇA É MESMO TÃO RELATIVO QUANTO SUBJETIVO, E CLARO FOGE COM ISSO TOTALMENTE DAQUILO QUE SE OBJETIVA OU SE OBJETIVARIA DE FATO, QUE SERIA A JUSTIÇA PLENA, ATÉ POR QUÊ SE HAVER OU ONDE HAVER QUALQUER DÚVIDA POR MINIMA QUE SEJA AUTOMATICAMENTE ELIMINA-SE OU DEVERIA-SE ELIMINAR IMEDIATAMENTE O CONCEITO DE JUSTIÇA, MESMO POR QUÊ NÃO PODE EXISTIR JUSTIÇA ONDE EXISTIR DUVIDAS E INCERTEZAS NO VEREDICTO POR MENORES QUE SEJAM ESTAS, QUANTO MAIS PARCIALIDADES OU MÁS INTENÇÕES. TUDO ISSO SÓ CONTRIBUEM PARA O TERMO “FAZER JUSTIÇA” VIRAR MAIS DO QUE SÓ UMA PEÇA DESSE TEATRO, TORNA-SE ASSIM UMA IMPOSIÇÃO DA VONTADE DE ALGUNS SOBRE O DESTINO DE OUTROS E SEM NENHUM COMPROMISSO COM A RAZÃO MUITO MENOS COM A JUSTIÇA DE FATO.         

Nenhum comentário:

Postar um comentário